Twitter Facebook Instagram
Aumentar tamanho das letras Diminuir tamanho das letras Voltar Página inicial Versão para impressão


NOTÍCIAS

  04/05/2020 

Câmara deve votar projeto de auxílio emergencial sem alterações

O Senado aprovou no último sábado (2), o Programa Federativo de Enfrentamento ao Coronavírus (PLP 39/2020). O Projeto de Lei visa prestar socorro financeiro, no valor de R$ 125 bilhões, aos estados e municípios para combater à pandemia da Covid-19. O auxílio foi aprovado na forma de um texto apresentado pelo relator e presidente da Casa, Davi Alcolumbre, que substitui a proposta original enviada pela Câmara (PLP 149/2019). A promessa é de que os deputados votem o texto ainda hoje (4) e, segundo Rodrigo Maia, sem alterações para dar celeridade ao tramite.

Pela proposta serão direcionados R$ 60 bilhões em quatro parcelas mensais. Desse total, R$ 50 bilhões serão para uso livre, sendo R$ 30 bilhões destinados aos estados e R$ 20 bilhões para os municípios. Como não participa do rateio dos municípios, o Distrito Federal receberá uma cota à parte, de R$ 154,6 milhões, também em quatro parcelas. Os outros R$ 10 bilhões terão que ser investidos exclusivamente em ações de saúde e assistência social, sendo R$ 7 bilhões para os estados e R$ 3 bilhões para os municípios.

Ainda na tentativa de desafogar os caixas, os entes contarão com a liberação de R$ 49 bilhões através da suspensão e renegociação de dívidas com a União e com bancos públicos e de outros R$ 10,6 bilhões pela renegociação de empréstimos com organismos internacionais, que têm aval da União. Para as prefeituras, também fica suspenso o pagamento de dívidas previdenciárias que venceriam até o final de 2020.

O substitutivo também permite a reestruturação das dívidas internas e externas, incluindo a suspensão do pagamento das parcelas de 2020, desde que mantidas as condições originais do contrato.

Contudo, a Associação Brasileira das Secretarias de Finanças das Capitais (Abrasf) continuará trabalhando para aperfeiçoar o texto. “O projeto do Senado retirou pontos importantes como a vedação de concessão de benefício fiscal e a compensação do ICMS para o Fundeb. Para os municípios, isso terá um peso enorme. O ideal era que o PLP 149/2019 fosse aprovado na mesma versão da Câmara, mas infelizmente isso não aconteceu e a nova redação nos prejudicou”, destacou o presidente da Abrasf e secretário municipal de Finanças de Curitiba (PR), Vitor Puppi.

Caso o texto seja aprovado na Câmara da maneira como está, a Abrasf irá pleitear outras medidas em prol dos municípios em projetos distintos. “O problema maior é que a pandemia não espera. Necessitamos que os recursos emergenciais cheguem rapidamente. Para isso, as lideranças precisam mostrar bom senso e buscar uma convergência o quanto antes”, finalizou Puppi. 

A votação está prevista para ocorrer após os deputados votarem a PEC que cria o chamado “Orçamento de Guerra”.

Contrapartida

Os gestores ficarão impedidos de assumir novas despesas obrigatórias, como conceder reajustes ao funcionalismo público até o final de 2021. Ficam fora do congelamento apenas os servidores que trabalham na linha de frente no enfrentamento da pandemia, como Saúde, Segurança e Forças Armadas.

 

Foto: Divulgação

Última atualização: 04/05/2020 às 16:41:48
 
Aumentar tamanho das letras Diminuir tamanho das letras Voltar Página inicial Versão para impressão

Comente esta notícia

Nome
Nome é necessário.
E-mail
E-mail é necessário.E-mail inválido.
Comentário
Comentário é necessário.Máximo de 500 caracteres.
código captcha

Código necessário.

Comentários

Seja o primeiro a comentar.
Basta preencher o formulário acima.

SHN Quadra 01 - Bloco F - Edifício Vision - Sala 502
CEP 70701-060 - Brasília-DF  |  Fone: (61) 3963-4460 |  abrasf@abrasf.org.br 

www.igenio.com.br